Abençoai Senhor aqueles que me fizeram pensar

Abençoai Senhor aqueles que me fizeram pensar

Oh! Bendito o que semeia

Livros à mão cheia

E manda o povo pensar!

O livro, caindo n’alma

É germe – que faz a palma,

É chuva – que faz o mar!

(Castro Alves, Espumas Flutuantes, 1870.)

 

Se vocês pensam que este será um dos meus posts pessimistas, vocês acertaram.

Porque a essa hora eu estou com ânsia.

Ânsia por causa das pessoas que se limitam a vomitar seus preconceitos travestidos de preocupação.

Gente que está presa ao que eles “aprendem” em redes sociais, mas que não aprenderam nem a escrever as palavras direito.

Pessoas que não abrem um poema simples, como esse do Castro Alves, e realmente entendam suas palavras.

Incrível curso de saboaria
Faça lindos sabonetes artesanais para vender e ganhar dindim!!!

Já falei outras vezes neste blog sobre a importância do aprendizado.

Então, acreditem: o funileiro da esquina não sabe qual é o melhor remédio para a sua dor de cabeça.

Do mesmo modo que o farmacêutico não sabe o que é melhor para a lataria do seu carro.

Cada um no seu quadrado? Mais ou menos.

Não estou dizendo que as pessoas não podem opinar.

Mas já passou da hora delas entenderem que se as suas opiniões precisam de base, ou devem morrer no silêncio.

É por isso que prefiro os livros.

Eu sei que já li muita besteira, mas ao menos não existe uma discussão sem fim por conta do que está escrito.

Não há idiotas curtindo ou mandando cara feia pra você por entender e aceitar aquele conteúdo.

Nem vai ter ninguém lhe chamando de comunista, feminista etc. sem nem saber o significado dessas palavras.

Então:  pessoas que sabem o significado de “debate”, sabem que gritaria e ofensa não são debate.

Debate precisa de argumentação.

Ontem eu estava vendo um post sobre uma carreata contra o lockdown.

Isso me fez pensar: que tipo de gente acha mais importante ganhar dinheiro do que sobreviver a um vírus?

São as mesmas pessoas que acham que um ônibus lotado não é problema delas?

E que os meios de um funcionário chegar ao trabalho, ou se acabar de trabalhar sem ter o suficiente para se sustentar não é problema de todos?

Estou à beira de fazer 61 anos e já vi muito isso.

Pensei que superaríamos as bobagens e veríamos que um mundo não se faz com egoísmo.

Um mundo onde as coisas importantes não são os sapatos da moda, os celulares modernos, os carros que fazem mais barulho.

Mas parece que as coisas se tornaram mais importantes do que as pessoas.

Sei que estamos todos chateados e querendo sair, porque nos sentimos aprisionados.

Mas essa “liberdade” é verdadeira?

A sua opinião é baseada em que?

Naquilo que o tio do whatsapp, instagram etc. “acham”?

Então… Todos temos direitos, mas também temos deveres.

Voltando ao Castro Alves ali em cima, quantos livros sobre o assunto você leu?

Quantos experimentos você fez para saber que está propagando a verdade?

Porque você acredita que a sua opinião vai mudar alguma coisa? Não vai.

Mas seus atos podem mudar alguma coisa.

Pare de ficar vociferando bobagens nas redes e vá ler um livro.

Vá aprender o que significa ajudar.

Pare de falar mentiras sobre as pessoas só porque elas não são iguais a você.

E pelo amor de Deus, pare de apontar o maldito dedo e estenda a bendita mão.

Leia mais! Pesquise! Entenda! Ajude!

Se há uma coisa que aprendi com a democratização da informação é que você pode ler de tudo.

Mas só vai entender se abrir a sua mente e usar aquilo que é realmente útil: o conhecimento.

 

, , ,