Ai meus ovários!

Ai meus ovários!

Se vocês sofrem de algum mal, não leiam. Apenas cliquem em algo.

Este post não é para corações vazios.

Não é para mentes inúteis.

Eu não escrevo para idiotas que não pensam!

Muito menos para os que não sentem nada diante da destruição!

Sério! Como acreditar em uma pessoa que vendo tanta gente jogada na rua e que não sente nada?

Como alguém pode ver tanta morte e destruição e não faz nada?

Pior, como acreditar em um país que a pessoa vê uma publicação ambiental; vê uma garota assumir a liderança e entra para comentar ofensivamente?

Somos tão mesquinhos que não suportamos nossos erros e continuamos a errar só pra pensar que temos razão?

E somos tão inúteis assim para não ver que o maior erro é cruzar os braços diante da tragédia?

Estou revoltada sim! E ando até usando o baixo calão ao me expressar.

Cansei de ser “polida” com gente imbecil!

Esse recado é para aquele familiar ou ex-amigo, que mesmo vendo tudo errado, continua bater a tecla do amém!

Vê gente morrendo como num campo de concentração a céu aberto e diz: todos morrem!

E vê gente comendo merda na rua e diz: é vagabundo! Merece!

Está sendo roubado loucamente neste momento e diz: tudo mentira! É a mídia!

Mas não dizia que era a mídia antes, porque a mídia era “conveniente” ao pensamento idiota.

Cansada de ouvir que político é tudo igual de gente que sustentou essa política.

Estou cansada de ver um país que tem fome;

Está doente;

Não tem seus direitos respeitados há séculos;

Faz leis que nos jogam na idade da pedra;

Onde quem jura nos proteger só nos ataca;

Um país onde você não tem o direito a viver.

Estou farta de gente me dizendo que eu só preciso sobreviver. Pra que?

Para lutar num país que aceita tudo sem nem protestar?

Sério. Se a pessoa vê tanta morte, tortura, fome, doença e acha normal: vá se tratar!

Vou terminar meu vômito contando uma historinha.

Na eleição passada, uma pessoa que eu pensei conhecer me disse: “qual a opção? Ele vai nos salvar”.

Lembro-me de ter falado que havia várias opções, mas aí começou o papo de que eu sou de esquerda e tal.

Sim eu sou! Sempre fui. Nunca enganei ninguém.

Sabia que estava sendo alvo dos muitos preconceitos daquela pessoa. E ela era cheia deles!

O tempo passou, muitas verdades vieram à tona, e a pessoa ainda acha que não errou.

Mas eu sei. Errei ao pensar que era uma pessoa boa. Não era
Era mais uma aproveitadora se achando a última bolacha do pacote.

A errada sou eu. Afinal, eu é que estou na rua. Sem trabalho; aposentadoria; e devendo até as calcinhas porque, sabe…

Me acostumei e ter ao menos uma refeição diária.

Até que alguém diga que isso é um luxo!

Como é um luxo viver debaixo da ponte;

Um luxo vender balinha no semáforo;

Pedir esmola;

Sobreviver de caridade.

Mas é claro que as pessoas veem o que querem.

Se elas acreditam que alguém no mundo quer isso é porque são aproveitadoras e acham que todos são iguais.

Vão se tratar.

 

 

 

 

 

, , ,