Ai que dor nas costas!

Ai que dor nas costas!

Problemas mais comuns são ocasionados pelo envelhecimento

Dia desses fazendo minha habitual caminhada, sou abordada por uma senhora, mais jovem que eu, com certeza, e que me mandou logo a questão sem pestanejar:

Você não se sente melhor agora do que quando era jovem?

 
Eu respondi com o mesmo tom: NÃO!
Queria saber o que sei agora, mas ter a agilidade que tinha com uns 30 anos menos.
Pois hoje não consigo realizar certas tarefas que fazia com meus 26/27 anos.
A tal senhora ficou um pouco desconcertada (consegui!!) e seguiu seu caminho, que era diverso do meu.
O que ela não sabe é que eu também fiquei meio ensimesmada.
Envelhecer não é fácil.

Sentimos dores em partes do corpo que nem sabíamos existir.

Pernas, braços e região lombar são as mais comuns, mesmo quando temos alguma atividade física.
Falando apenas das costas, ou “região lombar”, ela possui cinco vértebras.
Essa parte é responsável por manter a postura e o equilíbrio do corpo.
Também protege estruturas vitais nervosas, como a medula.
Por isso, diferencie a dor nas costas causada por um esforço anormal, e a dor nas costas persistente, que não deve ser ignorada.
A lombalgia, como é chamada a dor lombar, começa a se tornar comum a partir dos 25 anos.
Ela pode assinalar simples contraturas, mas pode ser sintoma de tumores e traumas.
Médicos ortopedistas afirmam que a lombalgia é como o alarme de automóvel: quando toca, algo está errado.

Qualquer dor naquela região pode ser chamada de lombalgia.

Existem inúmeros problemas relacionados à lombalgia.
Os mais comuns são causados pelo as proteínas que hidratam os discos, que sofrem com o desgaste e se rompem.
Mas isso pode variar de pessoa para pessoa.

Os discos intervertebrais, que amortecem o atrito entre as vértebras, podem apresentar complicações.

Esse desgaste acontece por causa dos hábitos e do modo de vida da pessoa, como fumar ou carregar peso.

Mas também é relacionado aos fatores genéticos.

Doenças como hérnia de disco e “bico de papagaio” surgem assim, bem como escolioses degenerativas e torções.
No caso de tumores, a lombalgia é sinal de que células tumorais estão destruindo os ossos da coluna ou comprimindo o tecido nervoso ou de órgãos alinhados a ela.
Em todos os casos, a lombalgia é um alerta de que devemos procurar um especialista.
Se o caso for um tumor, se o diagnóstico demorar pode comprometer a vida do paciente ou a função da coluna vertebral.
A lombalgia pode ser aguda e representar um trauma como uma entorse, que pode ser tratada.
Também pode ser crônica, que tem como principal problema uma doença e deve ser diagnosticada.
Procurar atendimento médico é o melhor caminho para diagnosticar o problema e determinar o tratamento adequado.