Canções juninas fazem algum sentido?

Canções juninas fazem algum sentido?

Vamos em direção ao dia de São João e comer de montão!

Passamos do dia de Santo Antônio, e vamos rapidamente em direção ao dia de São João (24 de junho).
Estou meditando mais um pouco nos significados dessas festas de junho.
A fogueira de São João, por exemplo, é uma tradição vida de uma história sobre o nascimento de João Batista.
Dizem que Isabel, prima de Maria, mãe de Jesus, pediu que se fizesse uma fogueira do lado de fora de sua casa.
Ela queria que, na hora do nascimento de seu filho, todos encontrassem o caminho, pois era uma noite sem lua.
Quando eu era menina, muitas pessoas do bairro se reuniam para fazer uma fogueira.
Tinha até disputa de qual era a maior.
Até certo dia quando meus irmãos resolveram estender a fogueira pra dentro de casa…

E tacaram fogo na cortina da cozinha da minha mãe. Vencemos!!!

Chamamos mais atenção que todas as fogueiras.
Os bombeiros adoraram! #sóquenão
 
Mas, mudando um pouco de rumo, alguém já pensou sobre as músicas que foram feitas para essas festas?
Especialmente aqui no Brasil?
Algumas são muito bonitas e singelas, outras… não fazem nenhum sentido.

Porque São João teria uma capelinha de melão, de cravo, de rosa e de manjericão?

Mas a coisa não para aí.

“Com a filha de João, Antônio ia se casar, mas Pedro fugiu com a noiva, na hora de ir para o altar”.

E a maioria vai pelo mesmo rumo.
Porque essas músicas não foram criadas para que alguém encontrasse sentido nas letras.
Antes de tudo o mais elas servem para sua melodia acompanhar as danças típicas.

Minha favorita, ‘Sonho de Papel’ (autores: Carlos Braga e Alberto Ribeiro), é bem conhecida.

Todo ano, sem falta, tem uma fake news dizendo que as escolas não poderão tocar por conta dos direitos autorais.
Mas vou publicar o versinho mais conhecido da canção e, tenho certeza, muitos irão cantar.
O balão vai subindo, vem caindo a garoa.
O céu é tão lindo e a noite é tão boa.
São João, São João!
Acende a fogueira no meu coração.
Mudando o rumo de novo, vocês acharam que iam escapar da receitinha básica das festas juninas?
Essa eu deveria ter postado antes do dia de Santo Antônio.
Aliás é a receita que aprendi de uma das senhorinhas da quermesse da igreja.

É uma delícia de coco que alguns chamam de “bolo pega marido”.
Mas está mais para um bom-bocado ou um pudim diferente que bolo propriamente dito.

Ingredientes

Massa

Leite condensado
Uma medida da lata de leite integral
Uma medida da lata de farinha de trigo especial (ou comum)
1/2 medida da lata de açúcar
Um vidro de 200 ml de leite de coco
Três ovos grandes inteiros
Três colheres (sopa) de margarina
 
 

Cobertura

Um vidro de leite de coco (300 ml)
Duas colheres (sopa) de açúcar
Um pacote de coco ralado

Preparação

Massa


Bata todos os ingredientes no liquidificador.

Coloque em uma fôrma untada e enfarinhada.

Leve ao forno médio (200 º C) até dourar, 30 a 60 minutos, depende do forno.

Faça o teste do palito para retirar do forno.

 

Cobertura

Leve ao fogo o leite de coco, o açúcar e o coco ralado.

Deixe ferver e coloque quente sobre o bolo.



 

, ,