Capela do Pilar, um dos muitos marcos do Grande ABCDMRR


Uma das construções mais antigas da região do Grande ABCDMRR, a Capela do Pilar, em Ribeirão Pires, SP, é um exemplar do estilo colonial bandeirista.

Construída em 1713, a inauguração da capela aconteceu em março de 1714 e restaurada entre 1985 e 1987.

A capela perderia apenas para a de Santa Cruz, em Rio Grande da Serra, datada de maio de 1600.

Esta, porém, foi demolida e uma réplica foi inaugurada somente em 2011, portanto não conta.

Suas origens estão ligadas ao capitão Antônio Correa de Lemos, que “capitaneava” o bairro (freguesia) de Caguaçú.

O capitão também ocupou o cargo na capitania de São Vicente e São Paulo de Piratininga entre 1703 e 1706.

A nomeação se devia, é claro, à busca de ouro, prata e pedrarias entre Taiaçupeba e Guaió .

Surpresa! Não acharam, mas ficaram doentes

 

foto autoral de 2010.

Por conta da pobreza local em minérios, a Capela do Pilar era pobrezinha e simples, diferente da Basílica Menor de Nossa Senhora do Pilar, em Ouro Preto (MG).

Conta a lenda que o próprio capitão Lemos foi buscar minérios e adoeceu, como muitos.

Então, com a cura, mandou construir a capela em promessa à Nossa Senhora do Pilar, que lhe proporcionou a cura por intercessão divina.

Assim, em 25 de março de 1714, um domingo, dia de santa missa, inaugurou-se a capela de Nossa Senhora do Pilar, no dia dedicado à virgem do Pilar.

Outro fator que explica a denominação do templo é que a Virgem do Pilar era venerada no decorrer do Ciclo do Ouro como protetora dos bandeirantes paulistas, em especial no decurso da Guerra dos Emboabas (1707/1709).

Historiadores colocam a veneração à Virgem do Pilar a partir de 1690, com a vinda dos carmelitas para o País.

Outros colocam a difusão da Virgem com as Entradas e Bandeiras em busca de ouro.

O certo é que o próprio Capitão Lemos era membro da Venerável Ordem Terceira do Carmo, composta apenas por leigos (vide texto sobre igreja do Carmo – SP em “Tebas, o arquiteto”).

Naturalmente, ao falecer em 23 de julho de 1735, ele seria sepultado na Ordem do Carmo, em São Paulo.

Por este motivo, acredita-se que Antônio Corrêa de Lemos, como bandeirante e membro da Ordem Terceira do Carmo, seguiu essa lógica.

Afinal era um caso de adotar o exemplo de outras fundações, como a de São Paulo (dedicada ao dia do Apóstolo Paulo), ou de São Vicente (dedicada ao dia de São Vicente de Zaragoza).

receitas de Amigurumis
Receitas de Amigurumis com passo a passo? Clica na imagem e compre, por favor!

A Capela e sua função

A fundação da capela não foi um ato aleatório, mas planejada pelo próprio capitão-mor.

A presença do bispo Dom Francisco de São Jerônimo (de São Sebastião), e do Frei Pacífico, da Igreja de São Francisco, tinha a intenção de pagar uma promessa e, ao mesmo tempo, obter a Indulgência Plenária, redimindo seus pecados.

Isso porque o contexto era de perseguição religiosa promovida por Dom Francisco de São Jerônimo, que foi inquisidor do Santo Ofício em Évora.

Com a morte do capitão Lemos, em 1735, aos 83 anos, o bairro do Caguaçú passou para outros capitães, mas nenhum teve a mesma importância.

Em 1809, um de seus sucessores, o capitão-mor João Franco da Rocha, acrescentou a torre sineira à nave da capela, com o patrocínio de João José Barbosa Ortiz.

Este último era dono de propriedades que tomavam grande parte do antigo Bairro do Caguaçú e da atual cidade de Mauá.

Então: em 1831, o povoado de Caguaçú se tornou o Bairro do Pilar, e se vinculou à recém-criada Freguesia de São Bernardo.

Foi então que, em 1974, o historiador Wanderley dos Santos desenterrou as primeiras informações históricas sobre a capela e sobre o atual município de Ribeirão Pires.

Sua monografia, publicada postumamente em livro com o título ‘História de Ribeirão Pires’, desmente a tese de que a capela era a antiga ermida de Santo Antônio, construída por ordens de João Ramalho ou de Brás Cubas, no século XVI.

Patrimônio Cultural e Histórico

Imagens históricas da prefeitura de Ribeirão Pires

Em 1975, a Capela do Pilar foi tombada (protegida legalmente) pelo CONDEPHAAT (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo).

Assim, a Capela do Pilar firmou-se como um importante exemplar arquitetônico do século XVIII.

De dimensões menores, sua elevação frontal tem uma torre sineira.  No trecho que corresponde à nave, apenas uma porta, com verga em arco pleno.

Lateralmente, a fachada apresenta uma varanda circular, típica das construções bandeiristas. A edificação chegou até os dias de hoje praticamente inalterada.

Então, nos anos 1980, uma restauração acontece e é finalizada em 1987.

Em 2008, ocorre a segunda restauração, ambas coordenadas pelo CONDEPHAAT.

No ano de 2018, a capela foi tombada pelo CONDEP (Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural e Natural de Ribeirão Pires).

Em tempo, a denominação Grande ABCDMRR, faz referência às sete cidades da região (Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra.).