Estresse feminino

Estresse feminino

Durante a semana da mulher de 2017, uma pesquisa da Nielsen, especialista em análise de mercado, realizada em 21 países mostrou que, no Brasil, cerca de 67% das mulheres se consideram estressadas na maior parte do tempo.

A empresa entrevistou 6.500 mulheres de todo o mundo, sendo 318 no Brasil.

O país com a maior proporção de mulheres que se dizem estressadas é a Índia (87%), seguida por México (74%) e Rússia (69%).

As brasileiras ocupam a quarta colocação.

Entre os países desenvolvidos, as mais estressadas seriam as espanholas (66%) e as francesas (65%). No outro extremo da classificação ficaram as suecas e as malaias, ambas com 44% das mulheres afirmando estarem sofrendo com estresse a maior parte do tempo.

Duas em cada três brasileiras se dizem estressadas

A pesquisa concluiu que as mulheres entrevistadas desempenham funções que contribuem para aumentar seus níveis de estresse.

As estruturas sociais em torno delas variam entre países desenvolvidos e emergentes.

Isso faz com que aumente ou diminua o nível de exposição dessas mulheres ao estresse.

Como resultado, mulheres em países emergentes tendem a sentir maior pressão.

Analistas da Nielsen sugerem que muitas empresas, locais de trabalho e a sociedade precisam evoluir muito e mais do que campanhas de empoderamento para inglês ver, precisamos realmente colocar a mulher em protagonismo na sociedade.

O enriquecimento do papel social da mulher no momento colabora para o aumento do estresse a ser suportado por elas.

Os especialistas afirmam que as mulheres sentem a cobrança para ter uma carreira moderna e manter as responsabilidades da vida familiar de acordo com os padrões tradicionais.

E com a pandemia, um recrudescimento da violência contra a mulher não faz a carga diminuir. Ao contrário, a situação piorou muito.

Diferenças e igualdades

As mulheres sentem mais os efeitos do estresse do que os homens e têm dificuldades em lidar com ele.

Um quarto delas admitiu sentir-se sobrecarregada mais de oito vezes por semanas

Essa “sobrecarga” vem dos inúmeros papéis desempenhados pelo gênero feminino, tais como mãe, esposa, filha, profissional etc.

E, claro, não ajuda nada ainda ter que ouvir, muitas vezes de quem conhecemos, que devemos estar com hormônios em polvorosa e tudo o mais.

Durante a vida vi um sem número de homens “estressados”, com “ataque de pelanca”, sem que ninguém jogasse na cara deles que os hormônios estavam atacados.
Seria de bom tom, no mínimo, que ao menos nisso fôssemos tratadas como pessoas e não como coisas.
, ,