Grupos, gente do mal e bom-bocado de abacaxi

Grupos, gente do mal e bom-bocado de abacaxi

Estou muito cansada, mas não vou me queixar, pois estou depois de muito tempo fazendo alguns trabalhos e algumas coisas vêm dando resultados.

Mas não é do trabalho que vem o meu cansaço, e sim das pessoas que usam sempre os mesmos argumentos para justificar a própria ignorância, o preconceito, o racismo etc.

E essas pessoas ainda chamam isso de “falar a verdade”.

Senão vejamos: porque uma mulher entra em um grupo de fotos antigas e diz: “nesse tempo eram só descendentes de europeus e não tinha sujeira.

Mas depois vieram certas pessoas…”

Chamei a atenção da pessoa em questão, mas claro que caiu em ouvidos ignorantes, contra os quais não há argumentos.

Sim, em outros tempos as pessoas até podiam ser mais educadas e civilizadas, mas estamos no  Brasil.

Este país foi formado por indígenas nativos, europeus colonizadores, escravos arrastados para cá e uma segunda leva de europeus imigrantes?

De todos esses que citei, os mais asseados eram os índios, já que foram eles que ensinaram os tais europeus a tomar banho todo dia.
Mas não vou ficar me agastando.
Não vou deixar estragarem meu humor e prefiro, assim, passar uma receita gostosa pra caramba e super fácil de fazer!

Ingredientes

Uma lata de leite condensado
Uma lata de creme de leite
Três gemas
Duas colheres (sopa) farinha de trigo
Uma xícara (chá) abacaxi cozido e triturado
Uma xícara (chá) coco fresco ralado

Preparação

Misturar bem todos os ingredientes.
Colocar em forminhas (das de empadinhas) untadas ou com papel manteiga cortado para cada uma delas.
Assar em forno aquecido a 180 °C ou até corar.
Colocar em forminhas de papel enfeitadas para ficarem bem bonitos na hora de servir.

 

,