Nossa Senhora da Escada, São Longuinho, Jesuítas e o Brasil Colonial

Nossa Senhora da Escada, São Longuinho, Jesuítas e o Brasil Colonial

Faz tempo que tenho vontade de contar algumas aventuras e passeios que fiz durante meus tempos de jornalista. Quando revi essas fotos de Guararema e dessa igreja de Nossa Senhora da Escada, resolvi que já era hora.

Em 2012 estava fazendo cobertura das eleições, e num fim de semana estávamos eu e a minha colega de bobeira na casa que alugamos em Poá, na região do Alto Tietê e resolvemos passear nas cidades vizinhas indo até a nascente do rio Tietê, mas antes passando o dia na cidade de Guararema.

Para quem não sabe, essa região, historicamente, é o início das colonizações do interior brasileiro, uma região marcada pelo rio que levou os bandeirantes, tropeiros, mineiros, a entrar pelo sertão. Junto com eles, os Jesuítas, que foram construindo colégios de catequese, igrejas etc.

No meio de várias igrejas quatrocentonas, esta pequena e linda capela, Nossa Senhora da Escada, e a aldeia de mesmo nome, fundada no século XVII (1652) são o núcleo da atual cidade de Guararema. Este aldeamento, situado à margem esquerda do Rio Paraíba, surgiu nas antigas terras do capitão-mor de Mogi das Cruzes, Brás Cardoso, onde foram construídos uma igreja e um arraial.

A igreja, construída pelos índios sob a orientação dos jesuítas, em taipa de pilão e pau-a-pique, é barroca, sendo um dos poucos remanescentes da arquitetura religiosa dos jesuítas, com planta em nave única, capela-mor e dependências nos fundos. O convento, situado no prolongamento da elevação da igreja, encontra-se dividido em dois pavimentos, muito alterados no decorrer do tempo.

Depois, com o governo do Marquês de Pombal em Portugal, os jesuítas foram expulsos do país a igreja passou a ser administrada pelos monges franciscanos, foram construídos, no ano de 1732, o convento anexo e a nova capela, onde hoje se encontra a atual Igreja Nossa Senhora da Escada. Outras reformas vieram depois até o tombamento pelo IPHAN em janeiro de 1941.

A arquitetura da igreja é tipicamente barroca, com suas paredes construídas em taipa de pilão. O Arraial da Escada representa a formação do próprio Município de Guararema. Situada no bairro da Freguesia da Escada, a 3,5 quilômetros do centro da cidade, a Igreja resistiu à ação do tempo, passou por reformas e ampliações até ser tombada pelo Patrimônio Histórico Nacional, no dia 25 de janeiro de 1941.

Em 1982, a Igreja passou por uma reforma definitiva quando foi construída a praça em frente. E guarda duas curiosidades. Nossa Senhora da Escada é uma das muitas denominações da Virgem Maria, e esse nome se deve a uma capela dedicada à Nossa Senhora da Conceição dos Navegantes, cuja capela ficava à margem do rio Tejo, e que era acessada por uma escada. Com eles veio a imagem, já denominada “da Escada”, colocada no local.

Mas existe outra versão contada pelo povo. Os índios quando enterravam os seus mortos construíam uma escada no tumulo para que a alma pudesse subir ao céu. Então os padres Jesuítas colocaram uma “escadinha” no braço da imagem de Nossa Senhora, para que desse modo pudessem catequizar os Índios.

A outra curiosidade tem a ver com o título desse artigo. É sobre a devoção de São Longuinho, aquele que ajuda a encontrar coisas perdidas, e que a gente dá três pulinhos se achar. A paróquia histórica de Guararema é a única Igreja do Brasil que possui a imagem de São Longuinho em altar, conhecido popularmente como o Santo dos objetos perdidos.

 

, ,