O dia em que o ônibus não será humilhante

O dia em que o ônibus não será humilhante

 

Na verdade este artigo deveria ser: “o dia em que não seremos mais humilhados”.
Porque isso é o que vejo acontecendo todo santo dia!
Desculpem-me as pessoas religiosas, que dizem que a gente está pagando alguma pena para ir a algum lugar melhor.
Me perdoem os que acreditam que as coisas mais difíceis são as melhores, mas eu digo que já não é fácil e não precisamos que dificultem mais ainda.
Durante estes dois meses em que tive de me deslocar por cerca de duas horas entre a minha casa/escritório.
Meu local de trabalho, do outro lado de São Paulo, me fez passar por coisas que não vivia desde meu tempo de emprego fixo: um transporte coletivo desrespeitoso com o usuário.
Senão vejamos: todos os dias tomava ônibus no terminal de Piraporinha em direção ao Jabaquara.
Uma linha que faz ponto inicial e final ali.
Mas, mesmo assim, os ônibus sempre saem superlotados da estação, já que o intervalo que está nas placas é ilusório.

Em plena hora do rush, os tais 10 minutos em média não existem.

Já cheguei a ficar mais de 30 minutos esperando para conseguir entrar.
Nem vou falar sobre ir sentada.
Na hora da volta (Jabaquara – Piraporinha) é pior ainda.
Já fiquei mais de uma hora em pé, esperando por um ônibus que nunca chega, e quando chega, as pessoas avançam como se aquele fosse o último carro.
Isso é o que a empresa (Metra), incompetentemente faz com que todos acreditem.
Gostaria de saber onde eles fizeram a pesquisa de satisfação, porque não pode ter sido com os usuários nas horas de rush.
Eu poderia dar um desconto, e dizer que nas horas de rush é difícil mesmo.
Mas isso seria concordar com a ineficiência de quem faz a gestão do transporte coletivo.
Lembro que havia duas linhas que iam ao Jabaquara antes da Metra entrar com o corredor exclusivo.
Essas linhas foram suprimidas após a entrada da Metra.
Minha pergunta é: por quê? A população diminuiu? É claro que não.
Mas, assim como tudo que envolve prestação de serviços à população, temos o subdimensionamento.
E a população que se vire com o desrespeito.

O Metrô? Também deveria estar triplicado.

E o primeiro imbecil que disser que a privatização é a saída, eu mostro a porcaria da linha amarela, que vira cachoeira em dia de chuva e é paga com o dinheiro das outras linhas não privatizadas.
Mas, nesses dois meses, pegando a linha azul (que não é a pior), não pude me queixar muito, pois foram poucos os problemas e as soluções foram rápidas.
Se eu fiz reclamações? Certamente que fiz.
Mas caí na mesa das respostas padrão dadas pela EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos) e da Metra, empresa que administra as linhas do corredor ABD.
“Houve um problema que acarretou esse ‘atraso’ pontual”;
“as saídas de carros têm espaçamento padrão entre elas”;
“desculpe pelo transtorno, mas o carro bateu” (como um carro bate em corredor exclusivo?).
O que me resta? Colocar isso em um artigo e esperar que muita gente leia, compartilhe.
Juntos teremos a força para exigir que não sejamos humilhados nos deslocamentos para o nosso trabalho e nossa casa.
Nestes dois meses aturei a superlotação que muita gente tem que conviver todo santo dia.
Aguentei os ônibus sujos, a tarifa que está muito acima do que vale.
Aguentei gente tomando café em cima de mim quando eu dava a sorte de ir sentada. 
E aguentei tudo isso até o último dia do meu contrato, quinta-feira, 1º de novembro de 2018, Dia de todos os Santos.

E nem todos os santos nos valeram contra o desrespeito.

ÀS 18h30 subi até a plataforma da linha 289 e percebi, na hora, que algo estava errado.
Nenhuma das plataformas tinha ônibus e todas as três estavam superlotadas, com filas descendo pelas escadas.
Me armei de paciência e entrei quando pude.
Mais de 40 minutos depois aparece o primeiro ônibus (graças aos céus) na minha plataforma.
Algo me disse para entrar e ir em pé mesmo.
Foi após entrar que o bicho pegou!
Uma verdadeira horda de gente desesperada pra sair dali invadiu o ônibus, que só conseguiu sair da plataforma uns 15 minutos depois de haver entrado.
E pelo caminho, muitos pontos lotados e o ônibus em que eu estava sem conseguir parar porque não havia mais um milímetro desocupado.
Pelo caminho uns dez trólebus parados na via, porque, aparentemente, no único dia seco da semana, caiu a linha de transmissão.
Voltando à incompetência, pergunto: porque a empresa, com muitos carros a diesel e outras fontes de energia não colocou alguns extras para substituir os veículos parados?
A resposta é simples: porque o cliente continua a pagar pela humilhação e pelo desrespeito.
E que Deus nos ajude, porque essa ladeira descendente ainda não terminou.
Em tempo: as fotos são minhas, feitas entre um esmagamento de dedos e outro.
E na vida real, não tem graça nenhuma.

 

, ,