Problemas, problemas e mais problemas

Desde sexta-feira, quando comecei a escrever este texto na sala de espera da agência bancária, estou me perguntando se vale a pena publicar ou não. E acredite, não foi uma pergunta fácil de responder, porque vai expor uma situação que estou vivendo, e que é igual à de muitos brasileiros.
Estava na agência tentando renovar um empréstimo que pode, ou não, me tirar do sufoco por algum tempo, já que estou vivendo a mesma situação de milhões de pessoas, aos quais são negados os direitos mais básicos, entre eles, o direito de ganhar seu sustento com trabalho.
Não bastasse esse, e outros direitos negados, ainda carrego o cansaço de aturar nas ruas e nas mídias sociais as palavras de preconceito eterno da mesquinhez brasileira, como: ‘é vagabundo’; ‘tem emprego de monte’; ‘não trabalha porque não quer’ e por aí vai.
Muito bem! Eu sei que não sou vagabunda e quero trabalhar. Quero tanto que comecei este blog, que não me trouxe um tostão furado de retorno, só para poder exercer aquilo que sei fazer que é escrever.
Vou fazer uma pausa aqui e dizer que o amigo que me falou sobre escrever um blog não tinha as mesmas ideias que eu a respeito disso, e ele devem estar muito, mas muito arrependido mesmo de me colocar nesse caminho. Mesmo que eu tenha seguido algumas das dicas dele para “bombar” o blog, eu acabo escrevendo apenas as coisas que sei e nas quais acredito.

Portanto, se alguém aí está buscando a cura do câncer, vá ao médico. Não leia este blog porque eu não sei qual é a cura!

Mil vezes mais honesto é passar uma receita que eu fiz e deu certo, ou pesquisar sobre coisas úteis junto a pessoas e centros de pesquisa que não se baseiam em mentiras. Já existem mentiras demais neste mundo, e estas mentiras estão sendo bombardeadas via redes sociais por pessoas tão raivosas que beiram a histeria.
Uma amiga esta semana me disse que meu blog não emplaca porque eu não falo bobagem. Espero sinceramente que ela esteja errada. Não sobre eu falar ou não bobagens. Talvez esse artigo, superpessoal seja uma bobagem. Mas espero que ela esteja errada sobre eu emplacar, porque tenho esperança que ainda haja espaço para pessoas que querem ganhar a vida honestamente.
De qualquer modo, hoje é domingo, eu já saí do banco há dois dias; não resolvi meu problema; ainda estou no sufoco e não sei para onde correr.
Mandei uns 10 currículos hoje, e ainda tenho que mandar um portfólio para uma central de textos que pode ou não me aceitar. Preciso de ajuda e nem sei mais como pedir. Mas vou continuar, porque desistir nunca foi uma opção.

 

Vamos lá!

Deixe seu Comentário Respeitoso

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *