Quanto vale um museu?

Hoje minha única receita é para o desastre

O dia amanheceu em catástrofe, ao menos para mim. O Museu Nacional do Rio de Janeiro foi consumido pelo fogo e de todo o acervo inestimável sobrou 10%. Muitos irão questionar o porquê chamo isso de catástrofe e eu vou explicar: em um país que dá importância muito pouca a arte, educação e cultura, a perda de um só museu é como matar um dos últimos espécimes de algum animal.
Mas a minha lamentação não é apenas pela perda de acervo, ou a queima de um dos prédios mais belos nos quais já pus meus pés andarilhos. É a certeza de que para mais de 90% da população isso não importa. Para um sem número de pessoas o que aconteceu é algo como: “queimou umas velharias”.
É difícil e solitário viver cercada de pessoas que acham uma perda de tempo guardar um quadro raro; uma escultura encontrada em uma escavação; móveis; roupas; livros. Gente que lê um livro de frases motivacionais vazias, mas é incapaz de discutir filosofia, porque é “perda de tempo”. Gente que acredita que poesia é rimar amor com flor, ou dizer que a dor é uma “sofrência”.
Hoje estou triste demais. Não é apenas um prédio que queima. É o conhecimento humano guardado por 200 anos naquele local que queima. É o país que não contente em transformar o futuro na coisa mais nefasta que existe queima o próprio passado e nem se importa com isso. São só umas velharias. Não sei se consigo continuar a viver respirando esse ar.
O que me resta, por enquanto, é lamentar. O Museu Nacional se foi. Espero que mais nada se vá. Espero mais ainda: que as pessoas deste país entendam tudo o que se perdeu hoje…
A historiadora em mim está de luto, como estão de luto todos aqueles que entendem que perder isso é perder um pouco mais a humanidade. E este é o meu lamento.

 

Deixe seu Comentário Respeitoso

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *