São Longuinho, São Longuinho, me ajude a achar leitores e eu dou três pulinhos!

São Longuinho, São Longuinho, me ajude a achar leitores e eu dou três pulinhos!

Outro dia postei uma lembrança de um passeio no Alto Tietê (Veja Aqui), e ali coloquei uma curiosidade, que uma igreja da região , que é a única no Brasil a ter uma imagem do tal santinho, o santo dos objetos perdidos. Me dei conta que nunca falei desse santinho, comemorado em março, que poderia ou não ser o mês da conversão dele.

Diz a lenda que o tal “Longuinho” foi um dos soldados romanos destacados para acompanharem o castigo, a crucificação e a morte de Jesus. Dizem que seu nome era Longinus, o que foi associado à lança que feriu o lado do Cristo, de onde escorreu sangue e água, como mencionado no evangelho de São João. Também pode ser o soldado que reconheceu Jesus como o “Verdadeiro Filho de Deus”, sendo citado nos outros três evangelhos (Mateus 27,54, Lucas 23,47 e Marcos 15,39) no momento da morte de Jesus.

Também se conta que ele era baixinho, o que significa que, talvez, Longinus fosse um apelido (já que o significado é comprido, longo) e por causa de sua baixa estatura, ele conseguia ver tudo o que se passava por baixo das mesas, encontrando assim muitos objetos, que ele devolvia aos seus donos. Daí surgiu sua fama de encontrar coisas perdidas. A fama do soldado pagão passou para o convertido São Longuinho.

Nem é preciso dizer que a conversão de São Longuinho se deu aos pés da cruz, após ser atingido por respingos da água que saiu do lado do Cristo, e sendo curado de um problema de visão. E a vida dele não foi mais a mesma. São Longuinho abandonou o exército romano, e por sua conversão foi perseguido em sua fuga, primeiro em Cesarea e depois na Capadócia. Denunciado, foi torturado e decapitado.

São Longuinho foi canonizado pelo papa Silvestre II, quase mil anos depois, no ano de 999. Dizem que o processo de canonização estava adiantado como os trâmites da Igreja. Porém, vários documentos que faziam parte do processo ficaram perdidos. Diz outra história que o papa pediu a intercessão do próprio São Longuinho para que o ajudasse a encontrar os documentos perdidos. E, pouco tempo depois, os documentos foram encontrados e a canonização aconteceu.

A lança de Longinus, também conhecida por “lança do Destino”, se encontra exposta na Áustria e é venerada como relíquia, pois teria sido a lança que perfurou o coração de Jesus. Nas pinturas e estátuas artísticas, São Longuinho é representado como um soldado com uma lança voltada para seus olhos, tendo ainda a imagem de um monge com uma lanterna acesa nas mãos, representando alguém que procura algo perdido. Sua festa é comemorada no dia 15 de março.

Quanto à quadra que fiz no título, é o que se repete quando precisamos encontrar algo perdido. É uma quadrinha popular que diz algo assim: “São Longuinho, São Longuinho, se eu encontrar (tal coisa), dou três pulinhos. Se encontrar, faça uma oração agradecendo. Nem precisa dar os tais pulinhos.

Oração a São Longuinho

“Ó glorioso São Longuinho, a vós suplicamos, cheios de confiança em vossa intercessão. Sentimo-nos atraídos por uma especial devoção e sabemos que nossas súplicas serão ouvidas por Deus nosso Pai, se vós, tão amado por Ele, nos representar. Lembrai-vos São Longuinho, prodigiosamente tocado pela graça de Jesus agonizante, em sua última hora, que nunca se ouviu dizer que algum daqueles que recorrem à vossa proteção, fosse por vós desamparado. Assim, me favoreça com vossa valiosa intercessão perante Deus e me auxilie a encontrar o objeto que tanto necessito. Amém. “

“Dizer o nome do objeto que procura e rezar um Pai Nosso e uma ave Maria)

 

, ,