Você prefere comprar no armazém ou no supermercado?

Você prefere comprar no armazém ou no supermercado?

Do armazém ao supermercado, e vice-versa

Desde que o mundo é mundo, os seres humanos aprenderam a trocar uma coisa por outra, ou a trocar dinheiro por algo que se precisa.

É essa a base do comércio, que existe desde a antiguidade.

Evoluímos e inventamos modos de facilitar essa troca, criando moedas, cartões de débito e crédito.

Também criamos centros de compras e feiras, aonde os clientes vão atrás de suas necessidades.

Os supermercados chegaram ao Brasil em 1953

Nos anos 1930, um empresário americano comprou um galpão industrial e adaptou o lugar para vender comida deixando as pessoas se servirem.

Nascia o primeiro supermercado, baseado no conceito de que esse ‘autosserviço’.

Isso diminuiria os preços das mercadorias em relação aos antigos armazéns, onde os funcionários entregavam os produtos nas mãos dos clientes.

Entretanto, os tais preços baixos que antes comandavam as vendas não são mais os pontos atrativos dos mercados.

Muitas vezes vemos mercados menores e, até mesmo, lojas pequenas praticando preços bem mais atrativos.

Hoje temos supermercados varejistas e atacadistas, sem falar nos “atacarejos”, que misturam os dois

Nesse terceiro milênio há de tudo.

Temos os megacomplexos que parecem brotar do chão e comercializam 80 mil itens.

Há os supermercados comuns e os atacadistas que começaram a investir em certo “varejo”, de modo a atrair mais clientes.

Mas há outra vertente aparecendo, que é um caminho de volta para o comércio mais tradicional.

E, apesar da pressão exercida pelas grandes redes, as vendinhas, quitandas, açougues e mercadinhos apostam nos diferenciais para manter clientes.

Esses mercadinhos ganharam novos adeptos, e são um nicho de mercado bastante atraente para apostar em um novo negócio.

E não se engane em acreditar que esse fenômeno é apenas de pequenas cidades e locais onde as grandes redes resolveram não investir.

Queremos de volta o atendimento personalizado dos tempos da mercearia

Na Grande São Paulo, onde proliferam as megalojas, as tais “vendinhas de bairro” ainda têm a preferência de muitos clientes.

Isso acontece pela proximidade ou por representarem um ótimo recurso para compras menores e de última hora.

Além disso, esses pequenos comércios são mais “próximos” dos clientes, criando uma familiaridade impossível de acontecer nas grandes redes.

Outra prova de que esse comércio “mais próximo” é uma saída, é que grandes redes supermercadistas têm investido em pequenas lojas do tipo Express.

Assim elas atendem locais de grande movimentação, mas sem lugares grandes para instalar uma loja tradicional.

Voltar às origens pode ser menos estressante para as nossas vidas

O que vemos é um caminho de volta às origens, com as pessoas desejando atendimento personalizado que existia nos tempos dos armazéns.

Senão vejamos: nos antigos armazéns nós éramos atendidos por funcionários que pegavam o que desejávamos;

Esses funcionários colocavam nossas compras nas sacolas;

Muitas vezes até nos levavam as mercadorias até em casa.

Nos supermercados nós pegamos os produtos.

Colocamos nos carrinhos;

Tiramos do carrinho para passar no caixa;

Embalamos de novo, e levamos para casa…

Tudo em nome de um preço mais baixo que, na maior parte das vezes, não existe.

, ,