Dieta indiana: essa sim leva em conta o que você é

Dieta indiana: essa sim leva em conta o que você é

Saiba diferenciar os alimentos que são bons para o seu organismo

Primeiramente, vamos explicar a diferença entre a dieta Indiana e as outras.

Esta se caracteriza por uma série de fatores espirituais, psicológicos e físicos.

Para fazer o planejamento da dieta é necessário conhecer as características e o temperamento de cada indivíduo.

Por exemplo: alimentos recomendados para uma pessoa mais agitada não são bons para pessoas calmas.

Sabemos que, na boca, temos papilas gustativas, que são capazes de diferenciar sabores distintos.
Esses sabores variam entre doce, salgado, ácido, amargo, picante e adstringente.
A dieta indiana gosta de combinar esses sabores.
Isso torna as refeições uma experiência sensorial, que satisfaz o estômago e sacia a fome por mais tempo.
Também precisamos destacar que essa dieta leva em consideração o uso de ingredientes naturais (verduras, legumes, frutas, grãos integrais).
A isso se acrescentam especiarias, que intensificam os sabores dos alimentos.

Para descobrir quais alimentos são melhores para você, procure especialistas.

Com base nos princípios dessa dieta, confira a ação de cada sabor no organismo:

Sabor doce: atua no fortalecimento de tecidos, cicatrização, pele, cabelos e órgãos dos sentidos.
Ajuda na produção do leite materno e auxilia a saúde dos ossos.
Por metabolizar depressa, seu uso excessivo pode causar doenças.
Sabor ácido ou azedoestimula a digestão; é bom para o coração; aumenta o apetite; causa sensação refrescante no paladar.
Seu excesso pode causar flacidez, perda de força, tontura, coceira, palidez, herpes, inchaço e sede.
Sabor salgado: é bom para a pele; limpa os poros; acelera a atividade digestiva; causa sudorese; penetra nos tecidos; melhora o sabor.
Quando utilizado em excesso pode aumentar a incidência de rugas, queda e descoloração de cabelos, doenças da pele e herpes.
Sabor amargo: é de fácil digestão e atua sobre as atividades neurológicas, aumentando a capacidade de pensar e memorizar.

Além disso, melhora a composição do leite materno e ajuda a limpar a garganta.

O excesso pode causar perda de elementos essenciais ao bom funcionamento do organismo.

Sabor picante: auxilia em doenças da pele e na diminuição da retenção de líquidos.
É digestivo e aumenta a fome porque melhora o paladar.
O excesso pode provocar desmaios, tremores e dores musculares.
Sabor adstringente: é de difícil digestão; limpa o sangue e atua na cicatrização de feridas.
Retarda a digestão de comidas indigestas e absorve muita água.
Quando utilizado em excesso causa má digestão, gases e constipação intestinal.

 

,