Nostalgia de São Paulo

Nostalgia de São Paulo

Vista da Sé, em São Paulo

Por conta de tanto afastamento social, ando com saudades até de coisas que eu nem gostava tanto.

Não falarei delas aqui, e sim das saudades verdadeiras que tenho de alguns lugares.

São lugares onde vivi momentos incríveis, com pessoas preciosas da minha vida.

Tudo neste post vai cheirar a saudades, como o cheiro de livros antigos do sebo do Messias e de tantos outros que existem no centro de São Paulo

Isso lembra a felicidade de comprar um livro sem me importar se aquilo era uma raridade, mas apenas pelo desejo de ler… e de compartilhar com amigas como a Maga, a Lene, a Marcia…

Saudades de comer uma pizza no Speranza.

A melhor Marguerita que já comi, mas não é por isso…

Nem porque tenha aquele pão de calabresa e aquela italianice incrível que só o Bixiga proporciona.

O Speranza era ponto de encontro para a minha turma de faculdade, e os garçons nunca acreditavam quando a gente dizia: “tem mais gente chegando”.

Saudades de ir na galeria do Rock para comprar LPs, CDs, camisetas que seriam rasgadas nos shows das bandas favoritas.

Shows que íamos como quem vai a uma peregrinação, sabendo que estaríamos acabados no final, mas felizes e de alma lavada.

Uma vontade incrível de percorrer a Paulista, após ver um filme no Belas Artes ou depois de ficar horas na fila daquela exposição incrível do MASP.

Saudades de comer um pedaço de torta de limão ou entrar de banca em banca de jornal para comprar revistas que nem existem mais.

Fico pensando nessa pandemia e no que vai sobrar depois de tudo.

Revistas, shows, teatro, exposições, pizzas e barraquinhas de comidas, dessas que só São Paulo tem.

Por mais que o mundo virtual nos alimente com essas coisas, o mais importante não está ali.

O importante são as pessoas com quem partilhar esses momentos.

As pessoas com quem podemos conversar e que vão entender o que falamos.

Fico pensando nos grupos de história que frequento.

Postam lindas fotos de arquiteturas incríveis da minha cidade natal.

Quando vejo algumas dessas fotos antigas com as pessoas, eu penso: ‘quem são elas? Que momento é esse que viveram?”

Eu mesma não tirei muitas fotos.

Porque assim como as arquiteturas elas só passam as impressões e não os sentimentos.

E as fotos ou os lugares não vão matar as minhas saudades, que não são das coisas, mas das pessoas

Me desculpem os que acreditam no virtual.

Ele soluciona, mas não nos dá aquela sensação de completude que só nossos amados, familiares e amigos, podem oferecer.

Saudades de abraçar muito, de rir e chorar junto.

Vontade de cantar aquela canção do U2…

Ou de só caminhar em silêncio, sentindo os cheiros de vida que a cidade nos dá.

Será que isso vai sobrar quando tudo o mais passar?

,

4 respostas para “Nostalgia de São Paulo”

  1. Realmente são tantas as lembranças, as saudades e de coisas que queríamos lembrar e não lembramos. Queria lembrar o que foi que eu falei em um fim de noite no bar do Arlindo na frente da Metodista, mas acho que nunca saberei. São histórias que não voltarão mais, que irão ficar na memória.

  2. também não lembro…risos. Mas lembro de muitas outras coisas. Jogar crapô. Tomar a sopa da sua mãe. Ir para o Bixiga