Peixe de São Pedro: Conheça e cozinhe

Peixe de São Pedro: Conheça e cozinhe

Neste blog, uma receita não é apenas uma receita!

Durante muitos anos me perguntei por que a receita tinha esse nome.
Antes de mais nada, eu não publico nada sem explicação.
E fui caçar a razão. Descobri!
Porque na receita se usa tilápia, abundante no mar da Galileia.
A tilápia é conhecida como “peixe de São Pedro”.
E isso tem um motivo, encontrado na passagem bíblica do Novo Testamento.
(Mateus 17, versículos 24 a 27).

A pedido de Jesus, Pedro foi pescar um peixe que estaria com uma moeda na boca.

Essa moeda pagaria o imposto dos estrangeiros, em Cafarnaum, no caso, o próprio Cristo.
O nome do peixe? Tilápia!
Aqui no Brasil cultivamos tilápias a partir das matrizes vindas do Oriente Médio e Sudeste Asiático.
Muita gente come tilápia sem saber que é porque há mais de 100 tipos.
Esse tipo se chama Saint Peter ou Saint Pierre, exatamente por causa dessa passagem bíblica.
Isso é uma tentativa de vincular essa tilápia com a verdadeira tilápia da Galileia.
Lembro aqui que o Mar da Galileia é um mar interior, um grande lago de água salobra.
Agora que sabemos o porquê do nome dessa receita, vamos fazer peixe!

Ingredientes

Uma tilápia grande limpa e sem a espinha
Suco de um limão
Um tomate maduro cortado em rodelas
Uma cebola grande picada em rodelas
Coentro a gosto
Azeite
Duas batatas grandes
Salsa e cebolinha a gosto
Sal e pimenta a gosto

Preparo

Coloque o peixe em uma forma forrada com papel alumínio.
Regue bem o peixe com o suco do limão.
Tempere-o por dentro e por fora com seu tempero preferido.
Adicione o sal, o alho picado e o coentro picado.
Banhe-o com bastante azeite.
Coloque as rodelas de batata, a cebola e o tomate ao redor do peixe.
Salpique a salsa nas batatas e cubra o peixe com as duas abas do papel alumínio.
Asse o peixe em forno preaquecido em 200°C durante 30 minutos.
Descubra-o e asse por uns 20 minutos até reduzir a água.
Regue com mais um pouco de azeite e deixe dourar.
Sirva com arroz branco, salada verde e limão.

Dedico essa receita aos Pedros que conheço, especialmente meu primo Pedro Palladino!