Categorias
cidadania coletividade corrupção misericórdia

Vida em abundância pode ser diferente do que você acredita!

Tenho pensado muito sobre a vida em abundância, até porque não é o que vemos no mundo de hoje, com um número imenso de excluídos (e contando!) bem na cara de quem QUISER ver. E coloco isso em maiúscula, porque muitos, de cima dos seus pedestais de barro, insistem em fazer de conta que isso não existe, ou que a pessoa não lutou o bastante para sair da situação, e claro, chego à conclusão de que as pessoas gostam de apontar e acusar, ao invés de estender a mão e ajudar.

Mas duas coisas me levaram a escrever esse post, e a primeira é uma das frases icônicas de Mário Sérgio Cortella (lida no LinkedIn), que está me deixando muito pensativa mesmo. A frase: “A vida em abundância não é a vida do excesso, do desperdício, da perda. A vida em abundância é a vida da suficiência”.

Tenho me debatido muito com esta questão, não apenas porque estou em dificuldades financeiras, já que anda difícil arrumar trabalho de verdade, mas porque vejo muitas pessoas em dificuldades piores, sem se dar conta que precisam manter o foco nas necessidades. Aprendi ao longo do percurso que excessos deveriam ser apenas para aquele momento que a gente precisa MUITO agradar uma parte ferida do nosso ego idiota. Muitas vezes desperdiçamos só para mostrar a alguém que nós PODEMOS. Mas quer saber? Não podemos.

Que direito temos de jogar no lixo comida quando tem 800 milhões de pessoas com fome nesse século XXI? Que exibicionismo imbecil é esse? Será que as pessoas percebem quanto soa idiota elas dizerem que pagam impostos (no caso o de Renda), como se apenas elas pagassem impostos? É tão idiota que dá vontade de vomitar. TODO MUNDO PAGA IMPOSTO!!! Não existe uma coisa nesta terra de Santa Cruz que não seja taxada e sobretaxada. Pagamos até para respirar e quase nunca temos retorno disso tudo que pagamos.

Abro aqui um aparte para dizer que um estado inteiro no país onde nasci está sem energia após novo apagão, enquanto os governos (que são pagos com o nosso dinheiro), fazem de conta que isso não é problema deles.

Fechado o aparte, vou falar na segunda coisa que me levou a esse post. E esta veio do Instituto Humanitas Unisinos. É um artigo de uma das técnicas da Embrapa, que afirma que cada família brasileira desperdiça 128 quilogramas de comida todos os anos. E essa é uma estimativa muito conservadora, porque sei que algumas famílias desperdiçam mais. De onde foi que tiramos a ideia de que desperdício é sinal de prosperidade ou de que alguém é mais bem-sucedido que outro?

De onde vem essa arrogância? Porque alguém se acha poderoso só porque pode jogar comida no lixo? Qual a necessidade de subir em um monte de lixo e bater no peito dizendo que é dono daquele monte e que tem poder sobre ele?

Sei que muitos dirão: “mas é só no Brasil”? E eu vou responder: NÃO!! A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) divulgou que 1,3 bilhão de toneladas de alimentos são perdidos no planeta a cada ano, cerca de 30% do total produzido. E isso realmente me enlouquece. Precisamos voltar a nos tornar humanos e pensar que o que jogamos fora poderia alimentar uma pessoa por um bom tempo.

Porque não falei de todo mundo antes de falar no Brasil? Porque não posso consertar o mundo todo e nem o Brasil, mas gostaria que conseguisse fazer o meu leitor ver esse problema, se conscientizar e tentar mudar a atitude. Queria que um só visse que pessoas são mais importantes do que coisas, que todos somos mortais, que todos podemos (espero que não!) passar por essas necessidades; que ter uma roupa cara ou um celular da moda não nos fazem melhores do que ninguém. Que precisamos parar de nos exibir quando conquistamos algo que para nós, e apenas para nós, vale alguma coisa. Nós somos todos comida de bicho, e eles (os bichos), não desperdiçam.

Ainda com dados da Embrapa e do Instituto Humanitas Unisinos, quero compartilhar a informação: “No Brasil, 2,5% da população passou fome em 2017. Isso corresponde a 5,2 milhões de pessoas. E vale lembrar que o Brasil só saiu do mapa da fome em 2014, quando o índice de pessoas ingerindo menos calorias que o recomendado caiu para 3% da população”. Quero informar aos desperdiçadores de plantão que nós voltamos ao mapa da fome e por nossa própria culpa. Não apenas porque jogamos comida fora, mas porque não ligamos para o que acontece à nossa volta.

E assim, não ligamos para quem não tem o que comer, onde morar, onde trabalhar, como se tratar, estudar… Sim! Tudo isso importa! Porque tudo isso é direito inalienável e, mais que isso, a garantia desses direitos pode nos tirar dos mapas onde a maioria excluída é jogada em uma marginalidade que poderia ser muito menos atraente.

Falando em desperdício, vocês sabiam que a Lei Orçamentária Anual autorizou o montante de R$ 1,28 bilhão para custear o processo eleitoral de 2020? E que desse total, cerca de R$ 647 milhões serão investidos na realização das Eleições Municipais de 2020?

E isso são apenas os gastos do Tribunal Eleitoral. Em verbas de campanha, que é aquilo que os partidos usam para fazer sua propaganda eleitoral, são R$ 2 bilhões. Isso não está sendo investido para melhorar a saúde, a educação, a segurança, e nem para colocar comida nas mesas das pessoas. É para a gente eleger um cidadão que vai receber pagamento por serviços nem sempre prestados que também saem dos nossos impostos.

Vocês percebem onde quero chegar? Não quero dizer que não devemos ter eleições, porque a democracia é um sistema caro de sustentar, mas estamos muito perto de ter uma rainha louca gritando para comermos bolos já que não podemos mais comprar pão.

Precisamos muito mesmo descobrir que uma vida em abundância é aquela na qual a maioria absoluta participa. Se não for assim, não existe progresso, nem vida em abundância para mais ninguém, porque o círculo dos que ainda possuem privilégios está ficando menor a cada dia, mesmo que alguns tolos acreditem que, por andarem na moda, ou terem alguns bibelôs mais bonitos estarão a salvo.

 

Por Rita Palladino

Jornalista, Redatora, Revisora e saco de pancadas. Gosto de escrever sobre as coisas que gosto e sobre as que me incomodam. Muitos podem até discordar de mim. Mas não aceito ofensas.

2 respostas em “Vida em abundância pode ser diferente do que você acredita!”

Nas feiras livres ainda vemos frutas e verduras caídas no chão e que ainda poderiam ser consumidas. Também fico indignada quando vejo no supermerdado pessoas deixando cair no chão tomate ou batata ou algo assim que estão escolhendo e não se dando ao mínimo trabalho de pegar e colocar de volta no lugar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *