Desperdício não!!!

Desperdício não!!!

Plante uma horta, use tudo dos alimentos e não descarte nada!

Estou desde domingo pensando sobre esse assunto do desperdício depois de assistir a um documentário chamado “Wasted, com Anthony Bourdain”.

Para quem não sabe, ‘wasted’ significa perdido, desperdiçado, descartado como se fosse lixo.

E eu confesso que comecei a ver o documentário por causa do Bourdain, porque era fã dele enquanto era vivo.

Mesmo que ele tenha dado cabo da própria vida, era uma das pessoas mais lúcidas do mundo… Um desperdício.

Talvez por sua sinceridade, não havia fingimento quando ele se via diante da dor humana e da desgraça do mundo.

No meio desse texto eu vou destacar alguns números e dados tirados desse filme, realizado em 2017, e outros mais atualizados.

São números assustadores e coloca a espécie humana entre as coisas mais abomináveis que existem no universo.

Mesmo com tantos recursos, o ser humano desperdiça, descarta, e trata como lixo tudo, inclusive outros humanos.

Cerca de 10% das emissões de gases de efeito estufa dos países desenvolvidos são derivadas da ingestão de alimentos nunca consumidos, de acordo com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente

Como inimiga do desperdício, aprendi muita coisa com esse documentário.

Como utilizar restos alimentares para ajudar na ração animal.

Vários exemplos de larga escala são mostrados ali, como alimentar os suínos com leite e outras sobras (sem chiqueiros!).

Isso, além de evitar lixo orgânico nos aterros sanitários e águas, deixou a carne desses animais com uma qualidade excepcional para o consumo.

O Brasil joga 41 mil toneladas de alimentos fora todos os dias enquanto uma em cada nove pessoas passa fome. (dados do WFP – Programa Mundial de Alimentos)

No documentário, um destaque: 40% de todos os alimentos produzidos nos EUA vão parar no lixo.

Seja durante a colheita, transporte, comercialização e no final da cadeia de suprimentos.

E isso diz respeito a apenas uma nação.

Antes de mostrar os números brasileiros, quero que vocês pensem sobre isso: na hora da colheita há perdas; durante o transporte há perdas e sim, feiras livres, mercados e você jogam no lixo toneladas de comida.

No mundo, cerca de 1,3 bilhão de toneladas de comida são descartadas por ano e neste momento, milhões de pessoas não têm o que comer.

Plantar de forma orgânica é possível? Sim é.

E aconselho a todos os leitores que deem uma olhada nesse documentário, produzido pelo National Geographic.

Lá são mostradas inúmeras maneiras de utilizar ao máximo os alimentos, seja nas mesas das pessoas, como compostagem para fertilização, alimentação animal, geração de biocombustível e um sem número de outras finalidades.

Então, chegamos à pergunta: porque desperdiçamos tanto?

Porque alguém disse que isso ou aquilo não é gostoso?

Não… Eu odeio bacalhau, então eu nem compro para comer.

Aliás, uma regra que deveria var é a seguinte:

NÃO PONHA NO SEU PRATO SE VOCÊ NÃO VAI COMER!

Ah!! E se você não gosta, não fique fazendo a cabeça das pessoas de que isso ou aquilo faz mal.

Apenas admita que não gosta e pronto! Mas não jogue comida no lixo, por favor.

Atualmente habitada por 7,6 bilhões de habitantes, a Terra abrigará 8,6 bilhões em 2030, 9,8 bilhões em 2050 e 11,2 bilhões em 2100, segundo estimativas do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas.

Isso acarretará um aumento de 60% na produção de alimentos até 2050 para suprir a demanda, o que vai pressionar mais ainda nosso ambiente.

Poderíamos fazer um esforço para desperdiçar menos.

O ciclo do desperdício e não a cultura orgânica pode ter jogado milhões na fome.

No Brasil, mais de 30% de tudo o que é produzido não é consumido.

E as proporções de perdas em cada processo são:

10% dos alimentos são perdidos nos processos de produção e colheita;

50% dos alimentos são perdidos no transporte, manuseio e armazenamento;

30% dos alimentos desperdiçados são perdidos na distribuição;

10% dos alimentos são perdidos nos supermercados e na casa dos consumidores, tendo como principal fator a validade dos produtos.

Enquanto toneladas de alimentos são desperdiçadas, a fome atinge 5,2 milhões de pessoas no Brasil.

Como solucionar esse problema?

Vamos cultivar mais organicamente.

Sim, é possível fazer isso e ter comida suficiente se levarmos em conta as produções locais.

E também precisamos estar mais atentos aos processos de comercialização.

Nem todas as verduras, legumes e frutas são lindos e espetaculares, só que isso não pode significar que eles não são comestíveis e por isso devem parar no lixo.

Comprar apenas o que se precisa levando em conta a conservação e o período em que se vai consumir é uma boa medida antes de ir às compras.

Além disso, aproveitar partes não convencionais dos alimentos é outra saída para o desperdício.

De acordo com a nutricionista, é possível aproveitar partes importantes de frutas e verduras que possuem alto valor nutricional e acabam no lixo.

As folhas da cenoura, que têm vitamina A, podem ser refogadas como qualquer verdura, por exemplo.

Podemos ainda ficar de olho em mercados, restaurantes, lanchonetes etc., para que deem uma destinação melhor aos alimentos que sobram, e que deveriam (poderiam?) alimentar muita gente.

Certa vez alguém, de muita má vontade, falou algo sobre alguém ser processado por distribuir as sobras de alimentos.

Mais uma vez recomendo: assistam ao documentário e vejam a frase:

“0% das pessoas que distribuem alimentos que sobram em restaurantes, bares etc. foram processadas por esse motivo”.

Sei que estou me estendendo demais, mas queria fazer as pessoas pensarem um pouco.

Mesmo que estejamos no meio da maior crise humanitária que este país já viu, há gente que não se importa em nada com o próximo.

Precisamos mudar urgentemente.

Deixar de ser egoístas e pensar apenas nas nossas vidas sem importar o que acontece aos outros.

A mudança começa em nós.

O desperdício começa em nós. E deve terminar agora.

, , ,

6 respostas para “Desperdício não!!!”

  1. Brasil, o país do desperdício, da ignorância, do racismo, da intolerância….Não está fácil viver neste país.

  2. As contradições da humanidade. Joga-se fora o que falta na mesa. Usa veneno para ter mais alimento e morre doente. Cria modas com produtos industrializados e esquece do que está pronto na natureza…… Eita humanidade difícil de aprender as lições básicas de vida no Planeta Terra.

  3. Parabéns, Rita, excelente artigo!
    Consciência é a base de tudo. Se não podemos mudar no nível macro, no mínimo, devemos mudar no nível micro: dentro de casa, dentro de nossa a geladeira, nas nossas lixeiras! Jogar comida fora, desperdiçar, deixar estragar é desumano e anti ético! Isso sem falar que prejudica as pessoas (que passam fome), o meio ambiente, a economia…. Vamos começar, é tão fácil! Pelo menos, no mínimo,não deixando estragar a comigo que já está na nossa casa!!!!

  4. O que falta é mais orientação do que educação.
    Penso que é falta de conhecimento mesmo.
    Só países que passaram por grandes catástrofes descobriram e redescobriram o valor dos alimentos.

  5. 5,2 milhões de famintos é uma desgraça suficiente pra mim. Mas recomendo o documentário