Bolinhos portugueses de Kani Kama e as visitas de Natal

Bolinhos portugueses de Kani Kama e as visitas de Natal

Esse período do ano é aquele em que sempre recebemos visitas.

Visitas de amigos, familiares, pessoas que amamos.

Aliás também tem os chatos de plantão.

Aqueles que não mandam uma mensagem o ano todo, mas aparecem para trazer o panetone de número 400.

(veja uma receita do que fazer com as sobras de panetone neste blog).

Mas, inesperadas ou não, bem-vindas ou não, são visitas.

Então precisamos aprender a receber com cortesia.

Aliás, sempre ofereça ao menos um copo d’água.

Um cafezinho cai bem, mas se quiser ser a melhor das anfitriãs (ou anfitriões), segue uma receita fácil.

Vou ensinar que kani-kama serve para mais coisas que saladas.

A receita original é com outro peixe, mas como eu não gosto, fiz com kani!

Aliás esses bolinhos de kani-kama são fáceis de fazer, baratinhos e deliciosos!

Ingredientes

250 g de Kani-Kama picado em cubinhos

Quatro ovos

Uma cebola

Um maço de salsinha

100 g de farinha

Sal e pimenta a gosto.

Óleo para fritar

 

Preparação

Num recipiente junte o Kani Kama, os ovos batidos, a cebola e salsa picadas.

Tempere com sal e pimenta do reino.

Mexa tudo muito bem e vá adicionando a farinha aos poucos, misturando sempre até formar uma massa uniforme.

Se precisar acrescente mais um pouco de farinha.

Leve uma frigideira ao fogo com óleo e deixe esquentar.

Ponha pequenas quantidades de massa com o auxílio de uma colher de sopa e deixe fritar até dourar.

Um molho tártaro acompanha bem esses petiscos!

Mensagem do dia

Neste Natal, por favor, não me “ADD” no seu Face.
Nem me “siga” no Twitter, se puder, venha me dar um abraço real.
Daqueles em que expressamos toda a nossa alegria ou carinho.
E se não for possível este abraço real,
escreva-me uma carta comum, dessas onde não digitamos,
nem colamos coisas copiadas de outros sites.
Apenas expressamos as nossas emoções.
Falamos de coisas triviais e de coisas preocupantes.
Do novo ou do velho amor que passou.
Das alegrias e dores que todos nós passamos.